Mortalidade Infantil no RS

O coeficiente de mortalidade infantil expressa o número de mortes de crianças com menos de um ano de idade, a cada mil nascidas vivas, num determinado ano e local. É utilizado como um importante indicador de saúde, porque a morte de crianças com menos de um ano está geralmente associada a condições precárias de acompanhamento pré e pós-natal das mães.

O coeficiente de mortalidade infantil no Rio Grande do Sul está em constante queda desde a década de 70. O falecimento neonatal (entre 0 e 28 dias) era o de menor incidência até os anos 70, superado pelo pós-neonatal e infantil. A situação alterou-se na década de 80, quando as mortes pós-neonatais sofreram maior redução do que as neonatais e passaram a ocupar a posição de menor taxa de falecimentos.

O Rio Grande do Sul era, em 2013, o estado com menor coeficiente de mortalidade infantil do País, da ordem de 10,57 óbitos por 1.000 nascidos vivos. A grande redução do coeficiente de mortalidade infantil não ocorreu de modo homogêneo no Estado. O Corede que apresentou o maior coeficiente foi Rio da Várzea, com 16,1 óbitos por 1.000, seguido do Campos de Cima da Serra, com 15,0 e Campanha, com 13,8. O Corede com menor coeficiente foi o Missões, com 6,0, seguido do Hortênsias, com 6,7 e o Norte, com 8,3.

Como citar

PESSOA, M. L. (Org.). Mortalidade Infantil no RS. In: ___. Atlas FEE. Porto Alegre: FEE, 2017. Disponível em: < http://atlas.fee.tche.br/rio-grande-do-sul/demografia/mortalidade-infantil-no-rs/ >. Acesso em: 22 de novembro de 2017.